Ilha montanha: Ilha do Pico, Açores

Vamos em uma viagem que nos levará a conhecer a Ilha do Pico. Trata-se da segunda maior ilha do arquipélago dos Açores, são 42 km de extensão que abriga paisagens de tirar o fôlego.

Tal e qual as ilhas vizinhas, a Ilha do Pico possui origens vulcânicas e em alguns lugares pode-se, inclusive, apreciar uma pequenos pontos mais fumegantes. 

Por lá há de tudo um pouco, mas não poderíamos deixar de dar destaque às baleias, que já foram muito importantes na história da ilha e que hoje contam suas histórias através dos museus da cidade. Conheça mais sobre a Ilha do Pico e saiba os segredos que lhe esperam por lá. 

As origens vulcânicas da Ilha do Pico, Açores

Sendo o ponto mais alto do país, a Ilha do Pico possui não só a maior área natural protegida do arquipélago dos Açores, como também abriga zonas vulcânicas que provém de sua origem.

Em 2004, a UNESCO concedeu à Ilha do Pico o título de Patrimônio Mundial. A nomeação foi graças as suas vinhas modeladas sobre as lavas. É isso mesmo, as lindas paisagens que podemos apreciar hoje, das vinhas, foram outrora lava de vulcão. Dá para acreditar?

Além de ser o ponto mais alto de Portugal, a ilha é caracterizada por terrenos de coloração negra e verde, antigos e belos moinhos de vento estão espalhados pelos terrenos, convidando o visitante a tirar belíssimas fotos. Na cidade de Madalena é possível saber um pouco mais sobre a vinicultura, e a história das primeiras vinhas da região e como elas ganharam o título da UNESCO.

Lajes, São Roque e Madalena: conheça os povoados da Ilha do Pico

Além da cidade de Madalena, Há ainda mais duas cidades na montanha: Lajes e São Roque. O Museu do Pico, está dividido em três polos distintos: em Lajes fica o Museu dos Baleeiros, já São Roque abriga o Museu da Indústria Baleeira, enquanto Madalena é casa do Museu do Vinho. Antigo convento das Carmelitas, hoje o Museu do Vinho está aberto para visitações, provas de vinhos e no mês de setembro se pode participar da colheita da uva, conhecida como vindimas.  

E não só de museus e vinho para contar a história da ilha do Pico. A riqueza gastronômica também é um dos destaques da região.  Bastante concentrada em pratos que levam frutos do mar, o carro chefe da gastronomia local é a caldeirada, mas há também de se provar as linguiças frescas fabricadas por lá. Tudo muito artesanal e saboroso. 

Para os apreciadores de um bom queijo, sugerimos conhecer o queijo do Pico – um queijo de vaca de pasta mole, uma iguaria sem igual. Harmonize com o vinho da ilha, será uma experiência dos deuses!

A Ilha do Pico, Açores – Portugal – possui tradição, beleza e gastronomia muito bem alinhadas com seu verde e encantador cenário. Em médio são precisos dois ou três dias para percorrer o local e apreciar as maravilhas provenientes do ponto mais alto de Portugal.

Deixe uma resposta

Fechar Menu